14 de setembro de 2017

Campanha contra Reforma Trabalhista


SINPUC ADERE À CAMPANHA QUE PEDE ANULAÇÃO DA REFORMA TRABALHISTA

Imagem da campanha lançada nas manifestações do Grito dos Excluídos 
O SINPUC aderiu ao movimento que pede a anulação da Reforma Trabalhista proposta pelo governo Temer. A campanha foi lançada na quinta-feira (dia 07) ao longo de inúmeras manifestações durante o Grito dos Excluídos, em todo o país. O SINPUC busca o fortalecimento e a articulação com a base para a coleta de assinaturas do Projeto que visa a anulação da Reforma e com isto, impedir a efetivação da perca de direitos dos trabalhadores.
O Projeto de Lei de Iniciativa Popular proposto pela CUT visa coletar 1,3 milhão de assinaturas para propor a revogação da Reforma Trabalhista prevista para entrar em vigor em 11 de novembro. Após o recolhimento das assinaturas, o projeto será entregue à Câmara dos Deputados. Neste momento inicia-se uma nova etapa da campanha, para exigir a votação da proposta.
A campanha pela anulação da Reforma Trabalhista foi aprovada pelas confederações, federações e sindicatos da CUT, durante o Congresso Extraordinário e prevê também a criação de comitês por essas entidades, para a coleta de assinaturas. O material de campanha que inclui cartilhas de orientação, formulários para coleta de assinaturas, banner e cartazes pode ser acessado através do link abaixo:  https://cut.org.br/acao/7-de-setembro-0167/
Os materiais também estão disponíveis no site da CUT e no site da campanha, através dos links: www.cut.org.br e https://anulareforma.cut.org.br.
Após o Grito dos Excluídos, a CUT promoverá mais uma série de manifestações para divulgar a campanha. A luta continua!

Com informações do site da CUT.


4 de setembro de 2017

Nota de Repúdio

SINPUC REPUDIA DEPUTADOS PARAIBANOS QUE VOTARAM A FAVOR DAS REFORMAS

Os deputados paraibanos que votaram a favor da Reforma Trabalhista.
Foto: Reprodução

O desgoverno Temer completa um ano de medidas arbitrárias que mais do que sanar a crise política e econômica que se instaurou no país, só serviram para prejudicar os trabalhadores. Como diz o ditado popular “a corda arrebenta sempre para o lado mais fraco”, a classe trabalhadora é a mais afetada e acaba por pagar a conta do famoso pato amarelo lançado nas ruas de São Paulo por aqueles que protestavam contra a presidente Dilma, que fora deslegitimada de suas funções, mesmo tendo sido eleita democraticamente por mais de 54 milhões de votos em todo o país. 

A reforma trabalhista (PL 6.787-16), assim como a reforma da previdência (PEC 287-16) são verdadeiros retrocessos sociais que atingem, principalmente, a massa trabalhadora responsável por fazer a engrenagem trabalhista do país funcionar. Neste sentido o combate à mídia, aos políticos e empresários que ajudaram neste processo e a luta constante em prol dos direitos conquistados por anos de luta e que foram vergonhosamente retirados por nossos parlamentares deve ser uma constante em nossas discussões.

O SINPUC vem a público demonstrar toda a insatisfação para com os políticos paraibanos que arbitrariamente e por escusos interesses foram favoráveis pela reforma trabalhista, rasgando a CLT. Estes parlamentares ao invés de estarem lado a lado do povo, utilizam suas funções públicas, para ferir direitos e em outras palavras rir da cara do trabalhador.  
Cabe frisar os nomes dos deputados paraibanos que ajudaram neste ínfimo processo, tendo em vista o pleito eleitoral a ser realizado em 2018.  São eles: Aguinaldo Ribeiro (PP), André Amaral (PMDB), Efraim Filho (DEM), Hugo Motta (PMDB), Pedro Cunha Lima (PSDB), Rômulo Gouveia (PSD) e Wilson Filho (PTB), além de Benjamin Maranhão que mesmo com a orientação contrária do partido “Solidariedade” votou "SIM" pela reforma. Estes ficarão marcados pela História paraibana como traidores do povo, alheios ao bradar da população por melhores condições de vida e aliados de um governo ilegítimo, que fere os trabalhadores dia após dia. Já os deputados Damião Feliciano (PDT) e Wellington Roberto (PR) não votaram. Em contrapartida, apenas Luiz Couto (PT) e Veneziano Vital do Rêgo (PMDB) foram contra a proposta.

Foto: Reprodução TV Câmara 
Em nota o SINPUC deixa claro que: “O SINPUC será incansável na divulgação dos políticos paraibanos que traíram o povo, que se elegeram pela vontade do povo e que estão retirando todos os direitos dos trabalhadores na Câmara federal. O sindicato repudia a ação desses políticos, já que muitos desses direitos foram conquistados à duras penas por uma luta incansável dos trabalhadores onde muitos morreram ou foram presos. E os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil estão perdendo com a retirada desses direitos e com estas reformas que beneficiam apenas o patrão e a classe alta brasileira. Vamos estar em alerta e sempre divulgando aos trabalhadores, sobre os deputados e senadores que tiram nossos direitos. Ao mesmo tempo imploramos que nas próximas eleições estes não sejam eleitos e os trabalhadores votem em que de fato, não retiram direitos. A luta não pode parar. Nenhum direito a menos!”.